segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Agricultura Orgânica




"Promover o conhecimento e incentivar o debate entre os agricultores e proprietários de terra, sobre os problemas e conseqüências da utilização da agricultura químico-industrial."


1. Proporcionar aos pequenos agricultores e proprietários de terra, conhecimentos e métodos de agricultura orgânica através de experiências práticas.

  • Prestar assessoria técnica na produção e comercialização, realizando reuniões e visitas periódicas aos agricultores  interessados, orientando-os e discutindo os aspectos relacionados à produção, organização e planejamento da propriedade;
  • Ampliar experiências de agricultura orgânica, diversificando as culturas, introduzindo diferentes tipos de adubos verdes e espécies para uso agroflorestal.
2. Promover o conhecimento e incentivar o debate entre os agricultores e proprietários de terra, sobre os problemas e conseqüências da utilização da agricultura químico-industrial, estimulando o trabalho em grupo e o associativismo, na busca do planejamento, organização e administração das propriedades rurais, com base nos princípios e práticas da agricultura orgânica e agrossilvicultura, enfatizando os princípios de conservação e valorização dos recursos naturais renováveis.
  • Levar conhecimentos, técnicas e noções de agricultura sustentável aos proprietários de terra e técnicos.
  • Disponibilizar aos grupos de agricultores orgânicos, modelos de estatuto de cooperativas e associações, para que possam discutir e decidir o modelo associativo a ser adotado.

"A adoção de substâncias químicas ou outros materiais sintéticos que desempenhem no solo funções estranhas às desempenhadas pelo ecossistema."


Agricultura orgânica é um sistema de gerenciamento total da produção agrícola com vistas a promover e realçar a saúde do meio ambiente, preservar a biodiversidade, os ciclos e as atividades biológicas do solo. Nesse sentido, a agricultura orgânica enfatiza o uso de práticas de manejo em oposição ao uso de elementos estranhos ao meio rural. Isso abrange, sempre que possível, a administração de conhecimentos agronômicos, biológicos e até mesmo mecânicos. Mas exclui a adoção de substâncias químicas ou outros materiais sintéticos que desempenhem no solo funções estranhas às desempenhadas pelo ecossistema.
 
Critérios básicos para a prática da agricultura orgânica:

  • Proteção da fertilidade dos solos a longo prazo, estimulando sua atividade biológica.
  • Intervenção mecanizada cautelosa.
  • Fornecimento de nutrientes ao solo em forma natural, não obtidos por processos químicos.
  • Auto-suficiência em nitrogênio pelo uso de leguminosas e inoculações com bactérias fixadoras de nitrogênio, e com reciclagem de materiais orgânicos provenientes de resíduos vegetais e estercos animais.
  • Controle de doenças, pragas e ervas pela rotação de culturas, inimigos naturais, diversidade genética, variedades resistentes, adubação orgânica, intervenções biológicas, extratos de plantas e caldas elaboradas com componentes naturais.
  • Bem estar das espécies exploradas na criação animal, através de nutrição, tratamento sanitário e condições de vida que respeitem suas características.
  • Atenção especial ao impacto do sistema produtivo sobre o meio ambiente, protegendo a flora e a fauna existentes.
  • Condições de trabalho que representem oportunidades de desenvolvimento humano aos envolvidos.
  • Processamento limpo e controlado.
  • Extrativismo sustentável.
Viabilização da Agricultura Orgânica

"A nova agricultura poderá ter como uma de suas características principais estar fundamentada numa ciência agronômica não reducionista e na participação de um agricultor que tenha ou recupere suas capacidades de observação e de respeito pelo seu espaço de produção, reconheça e respeite o tempo da natureza e os consumidores como parceiros ativos e interessados."

Aspectos importantes a serem utilizados e observados para a viabilização da agricultura orgânica

  • O lucro é importante para qualquer tipo de agricultura
  • Deve haver limites ao lucro (consumidor, agricultor e trabalhador devem ser vistos como seres humanos)
  • Que preço se está disposto a pagar pela viabilidade econômica da agricultura orgânica
  • Devem haver princípios éticos e mercado justo
  • O papel do marketing na mídia é fundamental para viabilizá-la em larga escala
  • As possibilidades de utilização mais intensa e constante de ações visando esclarecer os consumidores sobre os efeitos perigosos dos agrotóxicos sobre a saúde humana e meio ambiente atual e para as gerações futuras
  • Qual a estratégia que pode ser adotada para que se consiga não perder o controle do avanço da agricultura orgânica e para que a sua viabilidade econômica não seja alcançada às custas de suas filosofias e ideais (o lucro pelo lucro e as transnacionais entrando no mercado)
  • Não se deve perder de vista os princípios fundamentais e éticos que deram origem aos movimentos alternativos de produção agrícola
  • Não se deve adotar os mesmos parâmetros
  • Pouco adiantará construir um processo diferente de produção, se ele trouxer consigo os mesmos desvios que estão presentes atualmente nos processos dominantes de tecnologia e comercialização
  • A nova agricultura poderá ter como uma de suas características principais estar fundamentada numa ciência agronômica não reducionista e na participação de um agricultor que tenha ou recupere suas capacidades de observação e de respeito pelo seu espaço de produção, reconheça e respeite o tempo da natureza e os consumidores como parceiros ativos e interessados.
 Construção da Agricultura Orgânica

"Todas as correntes de agricultura (compreendendo orgânicos, naturais, biodinâmicos e outras) não agroquímica, de um modo geral, poderiam ser englobadas em uma categoria de agricultura com cultura, que terá de caminhar no sentido de obter uma produção física abundante, suficiente e econômica."


A construção de uma agricultura mais humana e respeitadora do meio ambiente e de um mercado justo implica que se opte por:
  • Uma concepção de produção e comercialização agrícolas na qual agricultores devem deixar de ser considerados apenas receptores de tecnologia, conselhos e informações e os consumidores devem passar a ter um papel ativo, fazer parte de ambos os processos, influindo diretamente sobre os mesmos
  • Uma ciência agrícola, que não deve se reproduzir ou espelhar-se no atual modelo, apenas substituindo-se os insumos e recomendações utilizadas. A nova agricultura deve incorporar a capacidade de produção de conhecimentos dos agricultores que já foi historicamente demonstrada e o interesse e participação dos consumidores
  • Tentar descobrir formas de trazer os agricultores e seu conhecimento local de volta para a produção de conhecimentos formais para a agricultura
  • Reforçar um fator favorável ao desenvolvimento de uma agricultura com cultura, que é o fato de os agricultores tenderem a estar fortemente ligados aos seus pedaços particulares de terra (quando as têm) e constituir meta de quase todos transmitirem-na aos seus filhos e netos e de quererem também transmitir seus conhecimentos práticos da lavoura.

O conhecimento dos agricultores é necessariamente local, uma vez que deriva da experiência direta dos processos de trabalhos, os quais são formados e delimitados pelas diferentes características de um lugar particular com um ambiente físico e social específico e único.
Todas as correntes de agricultura (compreendendo orgânicos, naturais, biodinâmicos e outras) não agroquímica, de um modo geral, poderiam ser englobadas em uma categoria de agricultura com cultura, que terá de caminhar no sentido de obter uma produção física abundante, suficiente e econômica, porém respeitando os limites e funções adicionais de produzir simultaneamente conhecimentos sobre a própria produção, gerar empregos, contribuir para regenerar o meio ambiente local e regional e, em última instância, contribuir para a regeneração do planeta.
Produto Orgânico

"O grande valor da horticultura orgânica é promover permanentemente o melhoramento do solo. Ao invés de mero suporte para a planta, o solo será sua fonte de nutrição."

O produto orgânico é cultivado sem o uso de adubos químicos ou agrotóxicos. É um produto limpo, saudável, que provém de um sistema de cultivo que observa as leis da natureza e todo o manejo agrícola está baseado no respeito ao meio ambiente e na preservação dos recursos naturais.

O solo é a base do trabalho orgânico. Vários resíduos são reintegrados ao solo; esterco, restos de verduras, folhas, aparas, etc., são devolvidos aos canteiros para que sejam decompostos e transformados em nutrientes para as plantas. Essa fertilização ativará a vida no solo; os microorganismos além de transformar a matéria orgânica em alimento para as plantas, tornarão a terra porosa, solta, permeável à água e ao ar. O grande valor da horticultura orgânica é promover permanentemente o melhoramento do solo. Ao invés de mero suporte para a planta, o solo será sua fonte de nutrição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário